Como alugar uma casa em Londres

Alugar casa em Londres é uma missão. Não impossível, mas que exige muita procura, paciência e, às vezes, sorte. Depois de alguns anos de experiência, decidi fazer este post em formato de guia e compartilhar algumas dicas com quem está na procura. Começando pelo básico (custos, tipos de casas e áreas) até como negociar o valor do aluguel e aumentar as chances de ter sua oferta aprovada. Vamos lá?

1) Defina o orçamento
Parece óbvio, mas por ser Londres, uma cidade em que o aluguel é tão caro, esse é o primeiro passo. Seja realista e pense não só no que você quer, mas no quanto pode pagar. Existem vários sites de busca de imóveis (no final do texto vou deixar alguns links) que são um bom ponto de partida para você ter uma ideia de preços. De maneira geral, um apartamento de um quarto, na zona 2, não sai por menos de 1,200 libras o aluguel, mais as contas. Lembre-se que no primeiro mês você tem que pagar o aluguel adiantado e depósito (geralmente seis semanas).

Está fora do seu alcance? Você não está sozinho. Há muitas pessoas, muitas mesmo, que começam a vida na cidade morando em casas compartilhadas – você tem seu próprio quarto, mas divide a cozinha e a sala, às vezes, até o banheiro. Não é o ideal, mas é mais barato, especialmente porque quase sempre as contas já estão inclusas no valor do aluguel do quarto. Um quarto duplo, na zona 2 custa em média 900 libras por mês.

2) Qual a melhor área?
De uma maneira beeem generalizada, a zona oeste de Londres é mais residencial, no norte estão as áreas mais caras, enquanto o sul e o leste tendem a ser mais em conta e mais agitados, o leste principalmente é ótimo para um público mais jovem.

Mas a área em que você vai morar depende do seu orçamento e necessidade. Quanto mais perto da zona 1 você estiver, mais caro vai pagar. E menores os imóveis tendem a ser. Minha dica é colocar na balança os custos e os benefícios. Lembre-se que não só o aluguel será mais caro nas zonas centrais, mas o imposto (council tax) também. Por outro lado, se você trabalha no centro, vai gastar menos com o metrô já que Londres é dividida em zonas (1 a 6) e quantos mais zonas você atravessa para chegar ao centro, mais caro é. É tudo questão de colocar os gastos na ponta do lápis.

3) Explore novos bairros 
Não tenha medo de sair explorando por aí. Em sites como Rightmove, você pode colocar o valor que pode pagar, a área que deseja e terá todos os imóveis listados. Mas não se limite a isso. Você também pode pesquisar pela distância que a casa deve ser do seu trabalho, em tempo de viagem no metrô, por exemplo. Expandir suas possibilidades aumenta as chances de encontrar algo bacana.

4) Não se assuste com o que encontrar
O mercado imobiliário de Londres é uma loucura. Tem muita opção. Muita coisa boa, muita coisa que nem de graça você aceitaria. Sem exageros! Já fui visitar um “apartamento” que o aluguel era 1,000 libras por mês. Parecia um achado! Chegando lá, era uma garagem, literalmente, transformada em um quarto com uma cozinha minúscula. Foi a primeira e a última vez que marquei uma visita sem ver fotos antes. Tem também aqueles imóveis que na foto parecem lindos, você chega lá e está caindo aos pedaços, além de ser bem sujo. Prepare-se para encontrar muita coisa ruim até achar seu lar doce lar. Pode ser (e eu espero!) que você dê sorte, mas é cada coisa que a gente vê por aí…

5) Marcando sua primeira visita
Depois de algumas horas de busca online, você achou algo bacana e liga para uma imobiliária para marcar de ir ver. É aí que começa a segunda parte da aventura. Corretor aqui tem fama de ser o tipo de pessoa em que você não confia. Que me desculpem os certinhos, mas a fama muita vezes é justa. Principalmente com a dificuldade de marcar um horário para ver imóveis. Se eles tem um cliente em potencial, não vão te dar muita bola. Dizem que vão retornar a ligação para marcar um horário, mas nem sempre ligam. Não espere pela boa vontade alheia. Fique no pé se realmente tiver gostado do imóvel e não quiser perder para outra pessoa. Quanto antes você visitar o lugar, mais chances tem de fazer uma oferta na frente e alugar antes de outra pessoa. Já aconteceu de eu marcar uma visita e ter mais casais visitando a casa na mesma hora. Não achei muito legal, mas aparentemente aqui é até que comum.

6) Vi um imóvel, gostei e fiz a oferta. Já é meu?
Nem sempre. Depois da visita, é normal te falarem que tem mais gente interessada na mesma casa. Muitas vezes é verdade, aliás, tem muita gente procurando casa por aqui. Mas também pode ser papo furado só para te fazer oferecer um valor maior no aluguel. É comum haver uma negociação. Dica de quem já passou por isso: estabeleça um limite máximo que você pode pagar, mas nunca fale para o corretor o real valor. Sempre fale um pouco menos. Assim você tem como negociar. Ah, e desconfie se a negociação virar um “leilão”, em que sempre tem alguém oferecendo mais do que você. Lembre-se que o corretor está ali para fazer você pagar o máximo pelo imóvel. Se for pagar um depósito para segurar o imóvel até que sua oferta seja aceita, certifique-se que poderá ter o valor de volta caso a proposta não seja aprovada. Se isso acontecer, é hora de começar a busca tudo de novo…Caso a oferta seja aprovada, pule para o próximo tópico!

7) Quase lá…
Oferta aprovada, é hora de checar suas referências e seu crédito (o famoso credit check). Basicamente, a imobiliária quer saber se você pode pagar o aluguel, se está em situação legal no país, entre outras coisas. Mande todos os documentos para aumentar as chances de ter a oferta aprovada. Você paga uma taxa para eles verificarem suas referências e, se der tudo, certo, é só assinar o contrato e preparar a mudança.

Sites de busca:

  • Zoopla e Rightmove – Os mais tradicionais. Tem muitos imóveis, você pode salvar suas buscas e ter o aplicativo no celular também.
  • Find Properly – É mais focado para quem é novo em Londres ou não sabe a área que quer morar. Mostra os mercados que tem no bairro, por exemplo.
  • Open Rent  – Esse é bem legal porque você não paga as taxas da imobiliária, já que faz tudo direto com o landlord, ou seja, o dono do imóvel. Porém, não tem tantas opções como os outros acima.
  • Spare Room – O mais tradicional para achar quartos em casas compartilhadas

Espero ter ajudado com alguma informação e qualquer dúvida é só deixar nos comentários. E se eu puder te dar um último conselho: não desanime por conta dos preços ou do mercado competitivo. Londres vale a pena!

Post publicado originalmente no site Brasileiras pelo Mundo, para o qual colaboro mensalmente.

Por que janeiro tem fama de ser depressivo na Inglaterra? 

Quando decidi escrever sobre o que acontece no mês de janeiro aqui na Inglaterra, meu primeiro desafio foi: como fazer isso sem parecer muito negativa? Afinal, o mês já tem a fama de ser depressivo por si só.

Talvez o termo “depressivo” seja um pouco forte, mas é mesmo um mês mais chatinho por diversos motivos. Em poucas palavras, se dezembro é a sexta-feira dos meses, janeiro é a segunda. Não dá para falar sobre janeiro e não mencionar esse clima de fim de festa generalizado.

Não é só ponto de vista de expatriada, não. Pergunte a qualquer inglês e provavelmente terá a mesma resposta. Mas por que essa má fama? Vou falar aqui sobre minhas opiniões e talvez muita gente vai concordar comigo, talvez muita gente vai achar que sou exagerada. Em todo caso, parto do princípio que estamos todas no mesmo barco!

Manhãs de inverno: 7h30 da manhã e céu ainda escuro

Para início de conversa, o inverno ainda está longe de acabar. E vamos combinar que, se nem quem é inglês acha o inverno uma maravilha, eu, vindo de um país tropical, não sou obrigada a gostar, não é mesmo?

Além disso, muita gente gastou bastante dinheiro no mês anterior e está tendo que controlar mais os gastos, além do fato de todo aquele clima de festas, Natal e Ano Novo, ter chegado ao fim. O que sobra é o frio e um mês parado, sem muitos compromissos na agenda. Os dias são mais curtos e escuros por mais tempo – três da tarde parecem nove da noite – e não temos mais as luzes de Natal para nos animar.

O assunto é tão sério que, não só aqui, mas também em outros países, geralmente a terceira segunda-feira de janeiro é conhecida como Blue Monday, o dia mais depressivo do ano. É um dia que trata exatamente desse desânimo generalizado, por onde você anda e com quem você conversa, parece todo mundo estar no mesmo barco, meio pra baixo.

A ideia começou a circular em 2005, quando uma empresa de turismo afirmou ter identificado a data usando uma equação. Não se tem provas de que isso realmente seja verdade, mas sabe aquela coisa que, mesmo a gente não acreditando muito, nos afeta? Oras, se ao meu redor, entre um grupo de amigos ou colegas de trabalho, tá todo mundo falando que aquele é um dia ruim, aquela energia acaba pegando. Eu, hein!

Mas então, o que fazer para que janeiro não seja um mês down? Sou da opinião que o tipo de pensamento determina como vai ser seu dia, acho que o mesmo vale para o mês. Aqui entra aquela dose de positividade que a gente tenta mentalizar bem forte. Reclamar não adianta nada, então, vamos à luta!

Por exemplo, janeiro é o início do ano, uma ótima oportunidade para tirar do papel a famosa lista das resoluções de Ano Novo. E se você reclama que está sem dinheiro, que tal aproveitar para passar mais tempo em casa, preparando uma receita diferente ou lendo aquele livro que nunca teve tempo para ler? Dizem que as melhores coisas da vida são de graça. Pode parecer papo furado, mas depois da correria das festas de fim de ano, fins de semana no aconchego do lar não parecem uma ideia tão ruim assim.

Ainda não se convenceu de que janeiro pode ser um mês empolgante? Que tal fazer como muitos ingleses e se juntar ao movimento do Dry January?

Um mês sem beber: o Dry January

Ou janeiro seco, traduzindo literalmente para o português. É um projeto que envolve saúde e caridade ao mesmo tempo. Muitos ingleses dão uma pausa nos pints (veja abaixo) e pedem doações em apoio a uma causa – o dinheiro é doado para caridade, claro. A ação é bem forte na Inglaterra, começou em 2012 com uma inglesa que decidiu parar de beber por um mês depois das festas de fim de ano e viu muitos benefícios. Algum tempo depois, ela levou a ideia para a Alcohol Concern, uma instituição que alerta sobre os riscos do álcool (lembrando que aqui as pessoas bebem muito, um copo de cerveja, o “pint”, tem 568ml).

O projeto cresceu tanto que, hoje em dia, tem até um aplicativo para você medir os efeitos de ficar sem álcool por um mês e milhões de pessoas já participaram, de acordo com o site oficial. Ainda de acordo com o site, 79% das pessoas afirmam terem economizado dinheiro e 49%, terem perdido peso.

Há quem diga que ficar um mês sem beber é o pior pesadelo, há quem diga que é a melhor coisa da vida. Os curiosos só vão saber se um dia tentarem, não é mesmo? Mas não há dúvidas que a ideia pode trazer um desafio a este mês que tem a fama de ser tão chato.

Seja como for, sem dúvida, é um desafio e talvez uma forma de começar o ano de maneira mais positiva, ajudando os outros e cuidando mais da saúde.

E então, qual é a sua ideia para tornar janeiro mais atraente? Ou, se você gosta do mês, escreva nos comentários.

 

Amizades no exterior

Diferença cultural é uma coisa engraçada. Quanto mais a gente conhece e gosta de uma pessoa, sendo ela de outra cultura, mais a gente se torna parecido. É como se as diferenças culturais fossem deixadas de lado diante da intimidade.

Vejo eu e o Ben, por exemplo, eu não o vejo como um cara inglês, mas simplesmente como a pessoa que ele é. O mesmo se estende à família dele. Acabo de voltar de uma noite super gostosa com a mãe, tia e prima dele. Três inglesas e uma brasileira andando por Londres conversando, dando risada e se divertindo. E por mais que a gente tenha vindo de backgrounds totalmente diferentes, quem se importa?

Tem muito brasileiro que quer sair do país e quando sai acaba se fechando num grupo de…brasileiros! É natural. Sem contar que falar a sua língua num país estrangeiro às vezes é um descanso para o cérebro. Mas e a tal da bagagem cultural, onde fica?

Observando as pessoas ao seu redor dá para ter uma ideia de como elas são de acordo com sua cultura, mas é só convivendo que você sabe como alguém realmente é.  Então o jeito é dar as caras!

Sendo assim, que a gente se permita mais ter amigos ingleses, alemães, holandeses, australianos, chineses, enfim, seja lá de onde for. Sua visão de mundo agradece e as noites de sábado também!